Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Notícias > Pesquisa na UFT aponta que bolsas contribuem para bom rendimento acadêmico
Início do conteúdo da página
ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL

Pesquisa na UFT aponta que bolsas contribuem para bom rendimento acadêmico

Por Samuel Lima | Publicado: Quinta, 28 de Setembro de 2017, 08h41 | Última atualização em Sexta, 29 de Setembro de 2017, 18h09

Pesquisa Proest - Rendimento AcadêmicoNão ter preocupação com moradia e alimentação enquanto está em processo de estudo na universidade é o sonho de quase todo acadêmico que vai buscar conhecimento e qualificação numa cidade que não é a sua. Uma pesquisa encabeçada pela Diretoria de Acompanhamento dos Programas de Assistência Estudantil (DAP) da Pró-reitoria de Assuntos Estudantis (Proest) apontou que a concessão de bolsas e auxílios para alimentação e permanência auxilia também no desempenho acadêmico do estudante. Dados da Pró-reitoria de Graduação (Prograd) aponta que três em cada quatro alunos da UFT são do próprio Tocantins. Ainda assim, a  UFT registra que muitos acadêmicos mudam de suas cidades para poder estudar em um dos sete câmpus da UFT e isto gera um custo adicional para o aluno.

Para auxiliar neste tipo de situação e também para amparar os acadêmicos com menos recursos financeiros (em vulnerabilidade econômica), há diversos tipos de bolsas da assistência estudantil, por meio dos recursos do Plano Nacional de Assistência Estudantil  (Pnaes). Na UFT, segundo apontaram resultados da pesquisa - desenvolvida no mês de maio deste ano - metade (50,5%) dos estudantes respondentes apontaram que o rendimento acadêmico melhorou muito depois que começaram a receber bolsas e auxílios.

Pesquisa Proest - Rendimento AcadêmicoOutros 39,1% dos entrevistados disseram que o rendimento aumentou em partes na questão do rendimento acadêmico. O percentual positivo para a influência da bolsa quanto ao rendimento é corroborado por outra pergunta ("Não receber a bolsa prejudicaria seu desempenho?"), em que 96,3% disseram que "Sim", não ter a bolsa influenciaria negativamente no desempenho acadêmico.

Abrangência
Pesquisa envolveu 550 acadêmicos de todos os câmpus. Realizada por meio de envio de um formulário eletrônico, obteve a participação de 57 acadêmicos do Câmpus de Arraias, 61 de Araguaína; 97 de Gurupi, 45 de Miracema; 145 de Palmas; 30 de Porto Nacional e; 92 do Câmpus de Tocantinópolis.

Foram 45 perguntas envolvendo diversos aspectos da política de assistência estudantil na Universidade e de como (ou se) tem havido contribuição para a melhoria da qualidade de vida e para a permanência e sucesso do ano na Instituição de Ensino Superior. Segundo a diretora Marta Virginia de Araújo Batista Abreu, as informações obtidas por meio da pesquisa "poderão fortalecer os objetivos e embasar decisões sobre aspectos gerais dos programas de assistência estudantil da UFT".

Diretora Marta Virgínia diz que dados vão embasar decisões acerca da assistência estudantil (Foto: Paulo Teodoro/Arquivo Dicom)Diretora Marta Virgínia diz que dados vão embasar decisões acerca da assistência estudantil (Foto: Paulo Teodoro/Arquivo Dicom)Para a diretora, "o acesso aos auxílios permanência, moradia, saúde e alimentação refletem diretamente no desempenho e manutenção do estudante no curso em que está matriculado. Sem estes auxílios, dificilmente os estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica conseguiriam permanecer na universidade".

A pesquisa revela ainda que 42,4% dos beneficiários estão matriculados em cursos de turno integral; outros 13,5% em cursos noturnos e 25,1% em cursos matutinos. Apenas 1% está no turno vespertino, o que leva a concluir que quase a metade dos participantes não pode ter algum tipo de vínculo empregatício, por conta das aulas nos dois turnos.

O Câmpus de Porto Nacional ganhou recentemente um Restaurante Universitário (Foto: Daniel dos Santos/Dicom)O Câmpus de Porto Nacional ganhou recentemente um Restaurante Universitário (Foto: Daniel dos Santos/Dicom)Alimentação
Um aspecto levantado na pesquisa diz respeito à alimentação dos estudantes. Conforme a pesquisa, quase metade (46%) dos que responderam a pesquisa disseram que se alimentam nos restaurantes universitários (RUs) da UFT, e 6,7% em cantinas e restaurantes dentro das dependências das unidades universitárias. O percentual de 48,9% dos entrevistados julgaram que o nível da qualidade das refeições oferecidas nos RUs está entre bom e excelente; 40% dos respondentes afirmaram que não utilizam o RU para prover sua alimentação.

Sustento financeiro
Para 33,1% dos estudantes bolsistas que responderam a pesquisa, os auxílios estudantis atendem de forma integral as necessidades financeiras para prover permanência no ambiente acadêmico. Outros 63,3% afirmaram que o recurso dos auxílios/bolsas atende parcialmente suas necessidades. Confira outros detalhes da pesquisa nas imagens abaixo e também na íntegra do documento, postado pela Proest em sua página no Portal da UFT.

registrado em:
Fim do conteúdo da página